03 abril, 2012

Leitura da Bíblia para a semana da morte de Cristo

Por meio destes relatos dos evangelhos podemos acompanhar os últimos dias de vida de Jesus aqui na terra. 
É apropriado que mostremos profundo apreço por Jesus Cristo, que deu sua alma como resgate em troca de muitos. (Mat. 20:28) Seu amor se manifesta em sua disposição de se submeter à vontade de Jeová para com ele no que diz respeito ao resgate. Para aprofundarmos nosso apreço pela maravilhosa provisão de Jeová, por que não lermos e considerarmos em família. 



Eventos após o pôr do sol: 9 de nisã:

Marcos 14:3-9
3 E, enquanto ele estava em Betânia, na casa de Simão, o leproso, ao estar recostado durante uma refeição, veio uma mulher com um vaso de alabastro com óleo perfumado, nardo genuíno, muito dispendioso. Rompendo o vaso de alabastro, começou a derramá-lo sobre a cabeça dele. 4 À vista disso, alguns expressavam indignação entre si mesmos: “Por que se deu este desperdício de óleo perfumado? 5 Pois este óleo perfumado poderia ter sido vendido por mais de trezentos denários e dado aos pobres!” E sentiam grande desgosto com ela. 6 Mas Jesus disse: “Deixai-a. Por que procurais causar-lhe aflição? Ela fez uma ação excelente para comigo. 7 Porque vós sempre tendes convosco os pobres, e quando quiserdes, podeis sempre fazer-lhes bem, mas a mim nem sempre tendes. 8 Ela fez o que pôde; antecipou-se em derramar óleo perfumado sobre o meu corpo, em vista de meu enterro. 9 Deveras, eu vos digo: Onde quer que se pregarem as boas novas em todo o mundo, o que esta mulher fez também será contado em lembrança dela.”

Eventos durante o dia: 9 de nisã:
Marcos 11:1-11
11 Ora, quando chegaram perto de Jerusalém, a Betfagé e Betânia, no Monte das Oliveiras, mandou dois de seus discípulos 2 e disse-lhes: “Ide à aldeia que está ao alcance de vossa vista, e assim que entrardes nela, achareis amarrado um jumentinho em que ninguém da humanidade ainda montou; soltai-o e trazei-o. 3 E, se alguém vos disser: ‘Por que fazeis isso?’ dizei: ‘O Senhor precisa dele, e o mandará logo de volta para cá.’” 4 Foram assim embora e acharam o jumentinho amarrado à porta, do lado de fora, numa rua lateral, e soltaram-no. 5 Mas, alguns dos parados ali começaram a dizer-lhes: “Que estais fazendo, soltando o jumentinho?” 6 Disseram a estes exatamente o que Jesus dissera; e deixaram-nos ir.
7 E trouxeram o jumentinho a Jesus e puseram nele suas roupas exteriores, e ele se sentou nele. 8 Também, muitos estenderam suas roupas exteriores pela estrada, mas outros cortaram folhagem dos campos. 9 E os que iam na frente e os que vinham atrás clamavam: “Salva, rogamos! Bendito é aquele que vem em nome de Jeová! 10 Bendito é o reino vindouro de nosso pai Davi! Salva, rogamos, nas maiores alturas!” 11 E ele entrou em Jerusalém, no templo; e olhou em volta, para todas as coisas, e, visto que a hora já estava avançada, saiu com os doze para Betânia.

Eventos durante o dia: 10 de nisã:
Marcos 11:12-19
12 No dia seguinte, tendo eles saído de Betânia, ficou com fome. 13 E avistando de certa distância uma figueira que tinha folhas, dirigiu-se para ela, para ver se acharia nela algo. Mas, chegando-se a ela, não encontrou nada senão folhas, pois não era a estação dos figos. 14 Assim, como resposta, ele lhe disse: “Nunca mais ninguém coma de ti fruto.” E os seus discípulos estavam escutando.
15 Chegaram então a Jerusalém. Ali entrou no templo e principiou a lançar fora os que vendiam e compravam no templo, e derrubou as mesas dos cambistas e as bancas dos que vendiam pombas; 16 e não deixou ninguém carregar qualquer utensílio através do templo, 17 mas ensinava e dizia: “Não está escrito: ‘Minha casa será chamada casa de oração para todas as nações’? Mas vós fizestes dela um covil de salteadores.” 18 E os principais sacerdotes e os escribas ouviram isso, e começaram a procurar um meio de destruí-lo; pois estavam com temor dele, porque toda a multidão ficava continuamente assombrada com o seu ensino.
19 E sempre que ficava tarde no dia, saíam da cidade.

Eventos durante o dia: 11 de nisã:
Marcos 11:20–12:27, 41-44
 20 Mas, passando de manhã cedo, viram a figueira já seca, das raízes para cima. 21 Pedro, portanto, lembrando-se, disse-lhe: “Rabi, eis que se secou a figueira que amaldiçoaste.” 22 E Jesus disse-lhe em resposta: “Tende fé em Deus. 23 Deveras, eu vos digo que quem disser a este monte: ‘Sê levantado e lançado no mar’, e não duvidar no seu coração, mas tiver fé, que aquilo que disser vai acontecer, ele o terá assim. 24 É por isso que vos digo: Todas as coisas pelas quais orais e que pedis, tende fé que praticamente já [as] recebestes, e as tereis. 25 E quando estiverdes orando em pé, perdoai o que tiverdes contra outro; a fim de que o vosso Pai, que está nos céus, também vos perdoe as vossas falhas.” 26 ——
27 E chegaram novamente a Jerusalém. E andando ele pelo templo, chegaram-se a ele os principais sacerdotes, e os escribas, e os anciãos, 28 e começaram a dizer-lhe: “Com que autoridade fazes estas coisas? Ou quem te deu tal autoridade para fazeres estas coisas?” 29 Jesus disse-lhes: “Eu vos farei uma só pergunta. Respondei-me, e eu também vos direi com que autoridade faço estas coisas. 30 Era o batismo de João do céu ou dos homens? Respondei-me.” 31 Começaram então a raciocinar entre si, dizendo: “Se dissermos: ‘Do céu’, ele dirá: ‘Por que é, então, que não acreditastes nele?’ 32 Mas, atrevemo-nos a dizer: ‘Dos homens’?” — Estavam com temor da multidão, pois todos consideravam que João tinha sido realmente um profeta. 33 Bem, disseram a Jesus, em resposta: “Não sabemos.” E Jesus disse-lhes: “Tampouco eu vos digo com que autoridade faço estas coisas.”
12 Principiou também a falar-lhes com ilustrações: “Um homem plantou um vinhedo e pôs uma cerca em volta dele, e escavou um recipiente para o lagar, e erigiu uma torre, e o arrendou a lavradores, e foi viajar para fora. 2 Então, na época devida, enviou um escravo aos lavradores, para obter alguns dos frutos do vinhedo da parte dos lavradores. 3 Mas tomaram-no, espancaram-no e mandaram-no embora de mãos vazias. 4 E enviou-lhes novamente outro escravo; e a este bateram na cabeça e desonraram. 5 E enviou outro, e a este mataram; e muitos outros, dos quais espancaram alguns e mataram outros. 6 Ele tinha mais um, um filho amado. Por fim o enviou a eles, dizendo: ‘Respeitarão meu filho.’ 7 Mas esses lavradores disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, matemo-lo, e a herança será nossa.’ 8 Tomaram-no assim e mataram-no, e lançaram-no fora do vinhedo. 9 Que fará o dono do vinhedo? Virá e destruirá os lavradores, e dará o vinhedo a outros. 10 Nunca lestes esta escritura: ‘A pedra que os construtores rejeitaram, esta se tem tornado a principal pedra angular. 11 Isto procede de Jeová, e é maravilhoso aos nossos olhos’?”
12 Em vista disso, começaram a procurar um meio de se apoderar dele, mas temiam a multidão, porque observavam que falara a ilustração pensando neles. Deixaram-no assim e afastaram-se.
13 A seguir, enviaram-lhe alguns dos fariseus e dos partidários de Herodes, para apanhá-lo na sua palavra. 14 Ao chegarem, disseram-lhe: “Instrutor, sabemos que és veraz e que não te importas com ninguém, pois não olhas para a aparência exterior dos homens, mas ensinas o caminho de Deus em harmonia com a verdade: É lícito ou não pagar a César o imposto por cabeça? 15 Devemos pagar ou não devemos pagar?” Percebendo a hipocrisia deles, disse-lhes: “Por que me pondes à prova? Trazei-me um denário para ver.” 16 Trouxeram-lhe um. E ele lhes disse: “De quem é esta imagem e inscrição?” Disseram-lhe: “De César.” 17 Jesus disse então: “Pagai de volta a César as coisas de César, mas a Deus as coisas de Deus.” E começaram a maravilhar-se dele.
18 Chegaram-se a ele então uns saduceus, que dizem não haver ressurreição, e fizeram-lhe a pergunta: 19 “Instrutor, Moisés nos escreveu que, se o irmão de alguém morre e deixa esposa, mas não deixa filho, seu irmão deve tomar a esposa e suscitar dela descendência para seu irmão. 20 Havia sete irmãos; e o primeiro tomou uma esposa, mas quando morreu, não deixou descendência. 21 E o segundo a tomou, porém morreu sem deixar descendência; e o terceiro, do mesmo modo. 22 E os sete não deixaram nenhuma descendência. Por fim morreu também a mulher. 23 Na ressurreição, de qual deles será ela esposa? Pois os sete a tiveram como esposa.” 24 Jesus disse-lhes: “Não é por isso que estais equivocados, por não conhecerdes nem as Escrituras, nem o poder de Deus? 25 Porque, quando se levantarem dentre os mortos, nem os homens se casam, nem as mulheres são dadas em casamento, mas são como os anjos nos céus. 26 Mas, a respeito dos mortos, que eles são levantados, não lestes no livro de Moisés, no relato sobre o espinheiro, que Deus lhe disse: ‘Eu sou o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó’? 27 Ele não é Deus de mortos, mas de viventes. Estais muito equivocados.”

41 E ele se assentou, tendo os cofres do tesouro ao alcance da vista, e começou a observar como a multidão lançava dinheiro nos cofres do tesouro; e muitos ricos lançavam [neles] muitas moedas. 42 Veio então uma viúva pobre e lançou [neles] duas pequenas moedas de muito pouco valor. 43 Ele chamou então a si os discípulos e lhes disse: “Deveras, eu vos digo que esta viúva pobre lançou [neles] mais do que todos estes que lançam dinheiro nos cofres do tesouro; 44 pois todos eles lançaram [neles] dos seus excedentes, mas ela, de sua carência, lançou [neles] tudo o que tinha, todo o seu meio de vida.”

Eventos durante o dia: 12 de nisã:
Marcos 14:1, 2, 10, 11
14 Ora, a páscoa e a [festividade dos] pães não fermentados era dali a dois dias. E os principais sacerdotes e os escribas estavam procurando um meio de se apoderarem dele por meio dum ardil e de o matarem; 2 pois diziam repetidas vezes: “Não durante a festividade; talvez haja um alvoroço do povo.”
10 E Judas Iscariotes, um dos doze, dirigiu-se aos principais sacerdotes, a fim de traí-lo a eles. 11 Quando ouviram isso, alegraram-se e prometeram dar-lhe dinheiro de prata. Ele começou assim a buscar um modo de traí-lo convenientemente.

Mateus 26:1-5, 14-16
26 Então, havendo Jesus terminado com todas estas palavras, disse aos seus discípulos: 2 “Sabeis que daqui a dois dias é a páscoa, e o Filho do homem há de ser entregue para ser pregado numa estaca.”
3 Nessa ocasião, os principais sacerdotes e os anciãos do povo ajuntaram-se no pátio do sumo sacerdote, que se chamava Caifás, 4 e realizaram entre si uma consulta para se apoderarem de Jesus por meio dum ardil e o matarem. 5 No entanto, diziam: “Não durante a festividade, para que não surja alvoroço entre o povo.”
14 Então um dos doze, aquele chamado Judas Iscariotes, dirigiu-se aos principais sacerdotes 15 e disse: “O que me dareis para traí-lo a vós?” Estipularam-lhe trinta moedas de prata. 16 De modo que daquele momento em diante ele buscava uma boa oportunidade para traí-lo.

Eventos durante o dia: 13 de nisã:
Marcos 14:12-16; 
12 Ora, no primeiro dia dos pães não fermentados, quando costumavam sacrificar a [vítima] pascoal, seus discípulos disseram-lhe: “Aonde queres que vamos e preparemos para comeres a páscoa?” 13 Em vista disso, ele enviou dois dos seus discípulos e disse-lhes: “Ide à cidade, e um homem levando um vaso de barro com água virá ao encontro de vós. Segui-o, 14 e onde quer que ele entrar, dizei ao dono da casa: ‘O Instrutor diz: “Onde está a sala dos hóspedes para mim, onde eu possa comer a páscoa com meus discípulos?”’ 15 E ele vos mostrará uma grande sala de sobrado, mobiliada em preparação; ali preparai para nós.” 16 Os discípulos saíram, assim, e entraram na cidade, e acharam-no assim como ele lhes dissera; e fizeram preparativos para a páscoa.
Mateus 26:17-19
17 No primeiro dia dos Pães não Fermentados, os discípulos vieram a Jesus, dizendo: “Onde queres que preparemos para comeres a páscoa?” 18 Ele disse: “Ide à cidade, a fulano, e dizei-lhe: O Instrutor diz: ‘Está próximo o meu tempo designado; celebrarei a páscoa com meus discípulos na tua casa.’” 19 E os discípulos fizeram conforme Jesus lhes mandara, e aprontaram as coisas para a páscoa.

Eventos após o pôr do sol: 14 de nisã: 
Marcos 14:17-72
17 Depois de anoitecer, chegou ele com os doze. 18 E, enquanto se recostavam à mesa e comiam, Jesus disse: “Deveras, eu vos digo: Um de vós, que está comendo comigo, me trairá.” 19 Eles principiaram a ficar contristados e a dizer-lhe um por um: “Não sou por acaso eu?” 20 Ele lhes disse: “É um dos doze, aquele que mete comigo [a mão] no prato fundo comum. 21 É verdade, o Filho do homem vai embora, assim como está escrito a respeito dele, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem está sendo traído! Teria sido melhor para este homem, se não tivesse nascido.”
22 E, enquanto continuavam a comer, tomou um pão, proferiu uma bênção, partiu-o e o deu a eles, e disse: “Tomai-o, isto significa meu corpo.” 23 E, tomando um copo, rendeu graças e o deu a eles, e todos beberam dele. 24 E disse-lhes: “Isto significa meu ‘sangue do pacto’, que há de ser derramado em benefício de muitos. 25 Deveras, eu vos digo: De modo algum beberei mais do produto da videira, até o dia em que o beberei novo no reino de Deus.” 26 Finalmente, depois de cantarem louvores, saíram para o Monte das Oliveiras.
27 E Jesus disse-lhes: “Todos vós tropeçareis, porque está escrito: ‘Golpearei o pastor, e as ovelhas serão espalhadas.’ 28 Mas, depois de eu ter sido levantado, irei na frente de vós para a Galiléia.” 29 Mas Pedro disse-lhe: “Ainda que todos os outros tropecem, eu não.” 30 Em vista disso, Jesus disse-lhe: “Deveras, eu te digo: Hoje, sim, esta noite, antes de o galo cantar duas vezes, até mesmo tu me terás repudiado três vezes.” 31 Mas ele começou a dizer profusamente: “Mesmo que eu tenha de morrer contigo, de modo algum te repudiarei.” Também todos os outros começaram a dizer a mesma coisa.
32 Chegaram assim ao lugar de nome Getsêmani, e ele disse aos seus discípulos: “Sentai-vos aqui enquanto eu oro.” 33 E tomou a Pedro, e a Tiago, e a João, e principiou a ficar atônito e muito aflito. 34 E ele lhes disse: “Minha alma está profundamente contristada, até à morte. Ficai aqui e mantende-vos vigilantes.” 35 E, avançando um pouco, passou a prostrar-se no chão e começou a orar que, se fosse possível, a hora se afastasse dele. 36 E prosseguiu a dizer: “Aba, Pai, todas as coisas te são possíveis; remove de mim este copo. Contudo, não o que eu quero, mas o que tu queres.” 37 E veio e os achou dormindo, e disse a Pedro: “Simão, estás dormindo? Não tiveste força para te manteres vigilante por uma hora? 38 Homens, mantende-vos vigilantes e orai, a fim de que não entreis em tentação. O espírito, naturalmente, está ansioso, mas a carne é fraca.” 39 E ele se afastou novamente e orou, dizendo a mesma palavra. 40 E veio novamente e os achou dormindo, pois estavam com os olhos pesados, e por isso não sabiam o que lhe responder. 41 E veio pela terceira vez e disse-lhes: “Numa ocasião destas, vós estais dormindo e descansando! Basta! Chegou a hora! Eis que o Filho do homem está sendo traído às mãos de pecadores. 42 Levantai-vos, vamos embora. Eis que se tem aproximado aquele que me trai.”
43 E imediatamente, enquanto ainda falava, chegou Judas, um dos doze, e com ele uma multidão com espadas e cacetes, da parte dos principais sacerdotes, e dos escribas, e dos anciãos. 44 Ora, o que o traía havia-lhes dado um sinal convencionado, dizendo: “A quem eu beijar, este é ele; detende-o e levai-o seguramente embora.” 45 E ele veio diretamente e se aproximou dele, e disse: “Rabi!” e beijou-o mui ternamente. 46 Deitaram assim mãos nele e o detiveram. 47 No entanto, um dos que estavam parados ali puxou a espada e golpeou o escravo do sumo sacerdote, e cortou-lhe a orelha. 48 Mas Jesus, em resposta, disse-lhes: “Viestes com espadas e com cacetes, como contra um salteador, para prender-me? 49 Dia após dia estava eu convosco no templo, ensinando; contudo, não me detivestes. Não obstante, é para que se cumpram as Escrituras.”
50 E todos o abandonaram e fugiram. 51 Mas, certo jovem, que usava uma roupa de linho fino por cima do [corpo] nu, começou a segui-lo de perto; e tentaram apoderar-se dele, 52 mas ele largou a sua roupa de linho e escapou nu.
53 Levaram então Jesus ao sumo sacerdote, e todos os principais sacerdotes, e os anciãos, e os escribas, reuniram-se. 54 Mas Pedro, duma boa distância, seguia-o até o pátio do sumo sacerdote; e ele estava sentado junto com os criados e se aquecia diante dum fogo. 55 No ínterim, os principais sacerdotes e todo o Sinédrio estavam procurando testemunho contra Jesus, para o entregarem à morte, mas não encontravam nenhum. 56 Muitos, de fato, davam testemunho falso contra ele, mas os seus testemunhos não estavam em acordo. 57 Levantaram-se também certos e deram testemunho falso contra ele, dizendo: 58 “Nós o ouvimos dizer: ‘Derrubarei este templo feito por mãos e em três dias construirei outro, não feito por mãos.’” 59 Mas, nem mesmo nesta base estava em acordo o seu testemunho.
60 Por fim se levantou o sumo sacerdote no meio deles e interrogou Jesus, dizendo: “Não dizes nada em resposta? O que é que estes testificam contra ti?” 61 Mas ele ficou calado e não deu nenhuma resposta. O sumo sacerdote começou novamente a interrogá-lo e disse-lhe: “És tu o Cristo, o Filho do Bendito?” 62 Jesus disse então: “Sou; e vós vereis o Filho do homem sentado à destra de poder e vindo com as nuvens do céu.” 63 Em vista disso, o sumo sacerdote rasgou a sua roupa interior e disse: “Que necessidade temos ainda de testemunhas? 64 Ouvistes a blasfêmia. O que vos é evidente?” Todos o condenaram a estar sujeito à morte. 65 E alguns principiaram a cuspir nele, e a encobrir-lhe o rosto todo, e a esmurrá-lo, e a dizer-lhe: “Profetiza!” E os oficiais de justiça levaram-no, esbofeteando-lhe o rosto.
66 Ora, enquanto Pedro estava sentado embaixo, no pátio, veio uma das servas do sumo sacerdote, 67 e, vendo Pedro aquecer-se, olhou diretamente para ele e disse: “Tu também estavas com o Nazareno, este Jesus.” 68 Mas ele o negou, dizendo: “Nem o conheço nem entendo o que dizes”, e saiu para o vestíbulo. 69 Avistando-o ali a serva, principiou novamente a dizer aos que estavam parados ali: “Este é um deles.” 70 Negou-o novamente. E mais uma vez, pouco depois, os que estavam parados ali começaram a dizer a Pedro: “Certamente tu és um deles, pois, de fato, és galileu.” 71 Mas ele principiou a praguejar e a jurar: “Não conheço este homem de quem falais.” 72 E imediatamente cantou um galo, pela segunda vez; e Pedro lembrou-se da declaração que Jesus lhe fizera: “Antes de o galo cantar duas vezes, repudiar-me-ás três vezes.” E ele ficou abatido e se entregou ao choro.

Eventos durante o dia: 15 de nisã:
Mateus 27:62-66
62 No dia seguinte, que era depois da Preparação, ajuntaram-se perante Pilatos os principais sacerdotes e os fariseus, 63 dizendo: “Senhor, lembramo-nos de que esse impostor dizia, enquanto ainda estava vivo: ‘Depois de três dias eu hei de ser levantado.’ 64 Portanto, ordena que o sepulcro seja feito seguro até o terceiro dia, para que não venham os seus discípulos e o furtem, e digam ao povo: ‘Ele foi levantado dentre os mortos!’ e esta última impostura seja pior do que a primeira.” 65 Pilatos disse-lhes: “Tendes uma guarda. Ide fazê-lo tão seguro como sabeis.” 66 De modo que foram e fizeram o sepulcro seguro por selarem a pedra e terem a guarda.

Eventos após o pôr do sol: 16 de nisã:
Marcos 16:1
16 Passado então o sábado, Maria Madalena e Maria, a mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas, a fim de virem e o untarem. 

Eventos durante o dia: 16 de nisã:
Marcos 16:2-8
2 E bem cedo, no primeiro dia da semana, chegaram ao túmulo memorial depois de se levantar o sol. 3 E diziam uma à outra: “Quem nos rolará a pedra [da frente] da porta do túmulo memorial?” 4 Mas, ao olharem para cima, observaram que a pedra, embora muito grande, tinha sido rolada [da frente]. 5 Quando entraram no túmulo memorial, viram um jovem sentado à direita, trajado duma comprida veste branca, e elas ficaram atônitas. 6 Ele lhes disse: “Parai de ficar atônitas. Vós estais procurando Jesus, o nazareno, que foi pregado numa estaca. Ele foi levantado, não está aqui. Eis o lugar onde o deitaram. 7 Mas ide, dizei aos discípulos dele e a Pedro: ‘Ele vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis, assim como ele vos disse.’” 8 Saindo então, fugiram do túmulo memorial, pois estavam presas de tremor e de forte emoção. E não disseram nada a ninguém, pois estavam tomadas de temor.
CONCLUSÃO CURTA
Alguns manuscritos e versões posteriores contêm uma conclusão curta depois de Marcos 16:8, como segue:
Mas, todas as coisas que se lhes mandaram, relataram brevemente aos em volta de Pedro. Outrossim, depois destas coisas, o próprio Jesus enviou por meio deles, do leste ao oeste, a santa e incorruptível proclamação da salvação eterna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário