29 fevereiro, 2012

A VERDADEIRA FELICIDADE




Para fazer uma comida gostosa é preciso uma boa receita e alguém que saiba cozinhar bem.
De certa forma, a felicidade também é o resultado, não de apenas um fator, mas da combinação de vários fatores em nossa vida.
Entre esses estão o trabalho, o lazer, o tempo gasto com a família e com os amigos, e atividades espirituais.
Mas há ainda outros fatores que nem sempre são levados em conta, como atitudes, desejos e objetivos na vida.
Felizmente, não precisamos descobrir sozinhos a receita para a verdadeira felicidade.
Por que não? 
Porque nosso Criador nos deu um maravilhoso livro de instrução, a Bíblia, que atualmente está disponível inteira ou em partes em 2.377 línguas e dialetos — muito mais do que qualquer outra publicação!
Essa impressionante circulação mostra que Deus se preocupa com a felicidade e o bem-estar espiritual de todas as pessoas. 
‘Eu sou aquele que te ensina a tirar proveito’, diz Deus. Ele nos promete dar paz e tranqüilidade, “como um rio”, se seguirmos seus mandamentos. — Isaías 48:17, 18.
A espiritualidade mencionada nesse versículo não é uma crença superficial em Deus. Em vez disso, ela influencia toda a nossa vida.
Reflete nossa disposição de ouvir e ser ensinados por Deus, porque reconhecemos que ele nos conhece melhor do que nós mesmos.
Tem-se dito corretamente que, do berço ao túmulo, os humanos precisam de amor. Sem ele, as pessoas perdem a vontade de viver.
Mas o que exatamente é o amor?
Embora o uso dessa palavra tenha sido banalizado hoje em dia, a Bíblia faz uma bela descrição do amor. Ela diz: “O amor é longânime e benigno. O amor não é ciumento, não se gaba, não se enfuna, não se comporta indecentemente, não procura os seus próprios interesses, não fica encolerizado. Não leva em conta o dano. Não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade. Suporta todas as coisas, acredita todas as coisas, espera todas as coisas, persevera em todas as coisas.” — 1 Coríntios 13:4-8.
O amor verdadeiro é mesmo altruísta! Visto que “não procura os seus próprios interesses”, quem ama coloca a felicidade dos outros à frente da sua. Infelizmente, esse tipo de amor está ficando cada vez mais raro.
De fato, na sua notável profecia sobre o fim deste sistema, Jesus disse que ‘o amor da maioria se esfriaria’. — Mateus 24:3, 12; 2 Timóteo 3:1-5.
Mas essa situação não continuará para sempre, pois é um insulto ao Criador — a própria personificação do amor! (1 João 4:8)
Em breve Deus eliminará da Terra todas as pessoas que estão cheias de ódio ou que se deixam levar pela ganância.
Ele preservará vivos apenas os que se esforçam para demonstrar o tipo de amor descrito acima.
Em resultado disso, haverá paz e felicidade em toda a Terra.
Com certeza se cumprirá a promessa bíblica:
“Apenas mais um pouco, e o iníquo não mais existirá; e estarás certamente atento ao seu lugar, e ele não existirá. Mas os próprios mansos possuirão a terra e deveras se deleitarão na abundância de paz.” — Salmo 37:10, 11.
Imagine todos os dias de sua vida repletos de ‘deleite’, ou satisfação plena!
Não é de admirar que a Bíblia diga: “Alegrai-vos na esperança”! (Romanos 12:12)

28 fevereiro, 2012

CONFIE NA PROTEÇÃO DE DEUS





Você entende o que a Bíblia quer dizer em 1 Coríntios 10:13?
Não vos tomou nenhuma tentação exceto a que é comum aos homens. Mas Deus é fiel, e ele não deixará que sejais tentados além daquilo que podeis agüentar, mas, junto com a tentação, ele proverá também a saída, a fim de que a possais aguentar.

Já parou para observar o velocímetro de um automóvel?
Digamos que ele tenha capacidade de andar em até 200Km / hora. Sabemos que a lei de trânsito não permite andar a esta velocidade.
O ideal seria andar no máximo em 110km nas rodovias mais movimentadas do país. No entanto, em casos de extrema necessidade, como transportar um doente em uma emergência, você pisará fundo e colocará a velocidade máxima que o carro der pois trata-se duma necessidade e o carro suporta.
Mesmo não sendo fabricado para andar em 200 km/hora, o automóvel foi projetado com uma margem de sobra visando emergências que ficam dentro do suportável.
Mas o que acontece se você pisa em 200km/hora e o velocímetro encosta na velocidade máxima?
Simplesmente não dá pra passar disso. 
É o limite, não vai além daí.

Somos assim: fomos projetados para levar uma vida tranquila, mas devido às pressões do sistema, nem sempre é o que acontece.
Ao passar por problemas, lembre-se da sua margem de sobra de força adicional ( de 120 a 200 Km/h).
Não é uma situação confortável mas é suportável e Jeová sabe disso por esse motivo permite.
Quando “nosso ponteiro chega em 200km/h” não tem mais para onde ir.
Você chegou ao limite, então Deus providencia a saída.
Não é maravilhoso contar com essa garantia?
Ao enfrentar problemas, avalie suas forças e tenha certeza de que só perdurará enquanto você pode agüentar.
Jeová sempre sabe de nossas necessidades, podemos contar com seu apoio e ajuda necessários.
Por isso, não devemos deixar de orar pedindo ajuda e proteção mas além de pedir devemos agradecer por recebê-las.
Somos muito beneficiados por confiar em Jeová como amoroso e terno Pai celestial. 
Jesus se beneficiou de confiar sem reservas em seu Pai.
“Não estou sozinho”, disse ele a seus discípulos, “mas o Pai, que me enviou, está comigo”, acrescentou. João 8:16 
Jesus sempre contava com o apoio de Jeová quando estava aflito. 
Instantes antes de morrer, Jesus clamou:
“Pai, às tuas mãos confio o meu espírito.” Lucas 23:46 
A confiança de Jesus em seu Pai continuava firme como sempre.
Pode ser assim no nosso caso. 
Com Jeová do nosso lado, o que temos a temer? 
Uma criança se sente segura e confiante ao andar de mãos dadas com seu pai. 
Se você realmente encara a Jeová como Pai, pode confiar nestas palavras consoladoras: 
“Eu, Jeová, teu Deus, agarro a tua direita, Aquele que te diz: ‘Não tenhas medo. Eu mesmo te ajudarei.’” Isaías 41:13 

23 fevereiro, 2012

POR QUE DEUS PERMITE O SOFRIMENTO?




Se o propósito de Deus era que as pessoas perfeitas vivessem na terra para sempre e se, este ainda é Seu propósito, por que não vivemos num paraíso?
Por que existe tanta maldade, sofrimento e injustiças?
A história do homem está cheia de aflição causada por guerras, pobreza, calamidades, doenças e morte.
Se Deus é todo-poderoso, por que permitiu esta enorme quantidade de sofrimentos por milhares de anos?
Para entender, faça de conta que está entrando numa floresta e que se depara com uma casa. Ao olhar a casa, vê que ela está em desordem. As janelas estão quebradas, o telhado está seriamente danificado, a varanda de madeira está cheia de buracos, a porta pende de apenas uma dobradiça e o encanamento não funciona.
Ao examinar mais de perto a estrutura, nota que ela foi originalmente bem construída e apresenta evidência de muito cuidado amoroso.
Mas agora está simplesmente decadente e prestes a ficar em ruína.

O que indicariam os defeitos e os problemas?
Poderiam sugerir:
(1) que o dono morreu;
(2) que ele é um construtor hábil, mas não está mais interessado na casa;
(3) que alugou temporariamente sua propriedade a inquilinos não apreciativos.

Este último ponto é similar à situação desta Terra.
A Bíblia nos diz que  não era do propósito de Deus que pessoas sofressem ou morressem.
Nossos primeiros pais, Adão e Eva, morreram somente porque desobedeceram a Deus.
Por escolherem desobedecer a Deus, não fizeram mais a Sua vontade. Na realidade, cortaram as relações com Deus, “a fonte da vida”.
Deus poderia imediatamente ter morto o primeiro casal rebelde depois de terem feito mau uso do seu livre-arbítrio.
Mas isto não teria resolvido a questão a respeito do direito de Deus governar os humanos. 
Aquele  primeiro casal queria ser independente de Deus, por isso é preciso responder à pergunta:
Resultaria tal proceder numa vida feliz e bem-sucedida?
A única maneira de descobrir isso era deixar nossos primeiros pais e seus descendentes seguir o seu próprio caminho, visto que a escolha foi deles. 
O tempo revelaria se os humanos foram criados para ser bem-sucedidos em governar-se independentemente do seu Criador.
O resultado de milhares de anos de governo humano mostra além de qualquer dúvida que não é dos humanos dirigirem seus próprios assuntos à parte do Criador.
Depois de terem tentado isso, só podem culpar a si mesmos pelos resultados catastróficos. 
A Bíblia torna isso claro, dizendo: 
“A Rocha [Deus], perfeita é a sua atuação, pois todos os seus caminhos são justiça. Deus de fidelidade e sem injustiça; justo e reto é ele. Agiram ruinosamente da sua parte; não são seus filhos, o defeito é deles.” — Deuteronômio 32:4, 5.
Depois de ter concedido tempo para mostrar o fracasso do governo do homem durante séculos, Deus pode agora passar a intervir nos assuntos humanos e acabar com o sofrimento, a tristeza, a doença e a morte. 
Depois de ter permitido que os humanos atingissem o auge das suas consecuções na ciência, na indústria, na medicina e em outros campos, Deus não precisa mais conceder outros séculos para que os humanos independentes do seu Criador demonstrem se são capazes de produzir um mundo pacífico.
Sua independência de Deus tem resultado num mundo bem feio, abominável e mortífero.
Embora tenha havido governantes sinceros, que desejavam ajudar a humanidade, seus esforços não tiveram êxito. 
Hoje em dia, em toda a parte há evidência do colapso do governo humano.
É por isso que a Bíblia aconselha: 
"Não confieis nos nobres, nem no filho do homem terreno, a quem não pertence a salvação.” — Salmo 146:3.
Nossas ansiedades quanto ao futuro, em breve deixarão de existir, pois Deus assumirá o controle do planeta Terra, estabelecendo seu governo, chamado Reino de Deus. Jesus Cristo se referia a esse futuro maravilhoso quando ensinou seus seguidores a orar: 
“Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra.” — Mateus 6:9, 10.
Além disso, o Reino de Deus levará os humanos obedientes à perfeição mental e física, eliminando todas as doenças, o sofrimento e a morte. O resultado? Nosso planeta será um paraíso em todos os sentidos, cumprindo assim o propósito original de Deus declarado no Éden.

15 fevereiro, 2012

PERDÃO




“Continuai a suportar-vos uns aos outros e a perdoar-vos uns aos outros liberalmente.” — Colossenses 3:13.

O que isso significa no casamento.
Uma coisa muito importante quanto ao perdão é aprendermos do passado.
Isto não quer dizer que faremos extensas listas com queixas e acusações para usar depois.
Mas, sempre devemos nos lembrar que por sermos imperfeitos, cometemos falhas e precisamos constantemente de perdão.

Deus está “pronto a nos perdoar”, mas nós os humanos nem sempre somos assim.
Porque tu, ó Jeová, és bom e estás pronto a perdoar; E é abundante a benevolência para com todos os que te invocam. Salmo 86:5 

Pode ser de ajuda saber que, quando problemas antigos não são resolvidos, o ressentimento pode se acumular a ponto de o perdão parecer impossível.
Casais talvez fiquem emocionalmente distantes e até mesmo isolados, permanecendo insensíveis aos sentimentos um do outro.
Tornam-se presos num casamento sem amor, cumplicidade e respeito.

O que poderia ajudar?
Procure lembrar-se do porque estão juntos, como era a vida no começo.
Olhe fotos antigas de vocês dois em momentos felizes
Reacenda o amor que vocês tinham por recordar boas ocasiões e bons sentimentos.
Olhem para as boas qualidades um do outro quando se conheceram e admirem o que ele(a) tem de bom agora, como amadureceu.

Se tiver filhos, pensem em como ser perdoador e bondoso com seu marido ou esposa irá beneficiá-los.
Pense em como o seu exemplo vai ajudar aos filhos.
O amor dos pais pelos filhos é expresso por meio de afeição calorosa, bons exemplos, regras de comportamento e limites morais bem definidos, baseados na Bíblia.
Filhos criados num ambiente assim têm um senso de segurança e de estabilidade familiar, e se sentem realmente amados e valorizados.

Efésios 5:33–6:4- Não obstante, também cada um de vós, individualmente, ame a sua esposa como a si próprio; por outro lado, a esposa deve ter profundo respeito pelo seu marido. 6 Filhos, sede obedientes aos vossos pais em união com [o] Senhor, pois isto é justo: 2 “Honra a teu pai e [a tua] mãe”, que é o primeiro mandado com promessa: 3 “Para que te vá bem e perdures por longo tempo na terra.” 4 E vós, pais, não estejais irritando os vossos filhos, mas prossegui em criá-los na disciplina e na regulação mental de Jeová.


Um casamento sólido, edificado sobre uma base de amor, perdão e lealdade altruístas, junto com o "amor a Deus e à sua Palavra", constitui a base da felicidade duradoura — tanto para o casal como para seus filhos, e para todos os demais envolvidos.

14 fevereiro, 2012

O AMOR UNE A FAMÍLIA





Já passou pela experiência de falar sem pensar algo que não devia, ou de querer voltar atrás no que disse?
Isto geralmente ocorre quando estamos irritados, com medo ou quando somos magoados.
Pode ocorrer principalmente com membros de nossa família, qualquer tentativa de expressar nossos sentimentos pode facilmente levar a acusações ou críticas, resultando em sentimentos feridos ou em brigas.
O que podemos fazer para lidar melhor com estas situações?  Como impedir que as emoções nos dominem?
A Bíblia diz: “O coração do justo medita a fim de responder.” — Provérbios 15:28.
Pensar antes de falar pode ajudar. Mas o mais importante é colocarmos nossas palavras com amor.
“Deus é amor” e nós fomos criados “à sua imagem”, por isso, temos a capacidade tanto de sentir como de expressar amor. (1 João 4:8
Mas, para expressarmos nossa afeição, temos de senti-la pelo cônjuge e pelos nossos filhos. 
Observar as boas qualidades que eles têm, mesmo que a princípio pareçam comuns, e refletir nisso, pode ajudar.
Sempre que notar algo de elogiável, fale não tenha medo de expor seus sentimentos, um elogio sincero causa um grande bem.
Faça um esforço sincero em demonstrar a sua afeição para com os membros de sua família, por palavras e ações. 
Na Bíblia  o “amor é descrito como . . .  o perfeito vínculo de união”. (Colossenses 3:14)
Ou seja, o amor não é um simples sentimento. É definido como algo que motiva nossas ações — incentivando algumas e proibindo outras. (1 Coríntios 13:4-8)

Na família, em que todos se tratam com amor, respeito e dignidade, prevalece a boa comunicação. 
Ela é muito importante e deve ser mantida aberta, para que todos os membros possam expor seus problemas, dúvidas, falhas, sabendo que serão ouvidos e tratados com consideração e respeito.

Nosso Criador nos fez com a necessidade de amar e de ser amados. 
Este é um motivo pelo qual Jesus destacou a importância de ‘amarmos o nosso próximo como a nós mesmos’. (Mateus 22:39)
A família é uma dádiva divina que oferece uma situação ideal para demostrarmos o nosso amor.
Uma família unida pode ser comparada a um belo jardim, que oferece um refúgio reanimador contra os problemas e as tensões do dia-a-dia. 
Podemos encontrar na família um companheirismo e uma cordialidade que acabam com a solidão. Quando fortalecemos os vínculos familiares, ficamos mais achegados um ao outro e a vida se torna mais rica.
Que todos nós sejamos sempre bondosos e apliquemos assim individualmente as palavras do apóstolo Paulo: “Como escolhidos de Deus, santos e amados, revesti-vos das ternas afeições de compaixão, benignidade, humildade mental, brandura e longanimidade.” — Colossenses 3:12.

10 fevereiro, 2012

O PROPÓSITO DE DEUS PARA A TERRA


Desde o começo, era do propósito de Deus que a família humana perfeita vivesse na Terra, para sempre e  num paraíso.
Fez a terra de modo maravilhoso para que isto fosse possível.
Cuidou de cada detalhe para nosso usufruto.
Pense nas lindas flores com seu perfume, frutas suculentas com cores e sabores diversos.
Nos rios e lagos refrescantes, no mar e sua imensidão, na vegetação exuberante, tudo foi feito,  para que o homem vivesse feliz e em paz, na companhia de uma grande diversidade de animais.
Este ainda é objetivo do Nosso Criador Jeová!
E  podemos ter certeza que este propósito será cumprido sem falta.

A Bíblia declara: “Jeová dos exércitos jurou, dizendo: ‘Seguramente, assim como tencionei, assim terá de acontecer; e assim como aconselhei, deste modo se efetuará.’” “Eu até mesmo o falei; também o introduzirei. Eu o formei, também o farei.” — Isaías 14:24; 46:11.

Jesus Cristo falou sobre o propósito de Deus, de restabelecer um paraíso na Terra, quando disse a certo homem que queria ter uma esperança para o futuro: “Estarás comigo no Paraíso.” (Lucas 23:43)

Também o apóstolo Pedro falou sobre o vindouro novo mundo quando predisse: “Há novos céus [um novo governo dominando desde o céu] e uma nova terra [uma nova sociedade terrestre] que aguardamos segundo a . . . promessa [de Deus], e nestes há de morar a justiça.” — 2 Pedro 3:13.

Davi escreveu sobre o vindouro novo mundo e quanto tempo duraria. Ele predisse: “Os próprios justos possuirão a terra e residirão sobre ela para todo o sempre.” (Salmo 37:29) 

É por isso que Jesus prometeu: “Felizes os de temperamento brando, porque herdarão a terra.” — Mateus 5:5.

Quão grandiosa é esta esperança, viver para sempre numa Terra paradísica, livre de todo tipo de maldade, crime, doença, tristeza ou dor! 

No último livro da Bíblia,  este grandioso propósito é resumido por declarar: “[Deus] enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.” E acrescenta: “E O que estava sentado no trono disse: ‘Eis que faço novas todas as coisas.’ Ele diz também: ‘Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.’” — Revelação 21:4, 5.

Sim, Deus não mudou seu grandioso propósito.
Fez provisões para que ele se realizasse, enviando seu Filho Jesus para nos resgatar.
Nós podemos fazer parte dele.

João 17:3 nos diz: Isto significa vida eterna, que absorvam conhecimento de ti, o único Deus verdadeiro, e daquele que enviaste, Jesus Cristo.


Para isto temos que  absorver conhecimento sobre Jeová e sobre seu Jesus Cristo,  harmonizar a nossa vida com a vontade de Deus e seguir Seus mandamentos. 
A Bíblia Sagrada, nos guia como um mapa.
Por meio de uma pesquisa nela encontramos o caminho em que devemos andar.
Assim, podemos adorar a Deus do modo que Êle aprova.




08 fevereiro, 2012

ORAR- UM GRANDE PRIVILÉGIO



Falar com o Soberano do universo. Sem cerimônias, em qualquer lugar ou situação em que precisarmos de ajuda, conforto, consolo ou mesmo para agradecer.
Podemos nos dirigir a Deus em oração, sempre.
Contar-lhe nossos mais íntimos sentimentos ou pensamentos.
Mas, como orar?
Jesus ensinou um modo simples de orar quando recebeu o pedido relatado em Lucas 11:1 que diz: "Senhor ensina-nos a orar".
Nesta ocasião ele nos ensinou a oração do Pai  Nosso.

(Mateus 6:9-13) “Portanto, tendes de orar do seguinte modo: “‘Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome. 10 Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra. 11 Dá-nos hoje o nosso pão para este dia; 12 e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores. 13 E não nos leves à tentação, mas livra-nos do iníquo.’


 Pensamentos de grande valor e significado estão contidos nas poucas palavras desta oração.


Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome.
O nome pessoal de Deus é Jeová. Os cristãos por usarem o nome pessoal de Deus, por falarem a outros sobre ele e por tornarem conhecido o propósito de Deus de santificar seu próprio nome perante toda a criação, estão santificando este Nome. 
 Para que as pessoas saibam que tu, cujo nome é Jeová,
Somente tu és o Altíssimo sobre toda a terra. Salmo 83:18

Venha o teu reino.
O Reino é o governo de Deus.
Por meio dele, será possível para toda a humanidade, viver em paz e segurança.
Usufruir plenamente a vida.
Cristo Jesus, ungido por Jeová Deus, será o rei e governará em breve toda a terra.
Sendo um governo justo e poderoso “Esmiuçará e porá termo a todos estes reinos [os atuais poderes políticos], e ele mesmo ficará estabelecido por tempos indefinidos.” — Daniel 2:44

Realize-se a tua vontade, como no céu assim também na terra.
A vontade de Deus é que toda a maldade seja eliminada da terra,  que todos vivam para sempre e em paz. Por isso é dado o aviso, para podermos harmonizar nossas vidas com a vontade de Deus.
Jeová quer que todos sejam salvos.
Por meio das boas novas do reino, hoje, é dado o aviso de que vivemos nos últimos dias deste sistema de coisas. 
1 Timóteo 2:3, 4: 3 Isto é excelente e aceitável à vista de nosso Salvador, Deus, 4 cuja vontade é que toda sorte de homens sejam salvos e venham a ter um conhecimento exato da verdade.

Dá-nos hoje o nosso pão para este dia;
Devemos pedir modestamente apenas o alimento “para este dia”.
Não estar preocupado demais com coisas materiais nos faz mais felizes.
Devemos pedir o alimento tanto para nós, como para os outros, nos lembrando das necessidades de nossos irmãos.
Se acreditarmos em Jesus, nossa vida não será devotada primariamente a adquirir bens materiais. “Tendo o sustento e com que nos cobrir, estaremos contentes com estas coisas.” 1 Timóteo 6:8.

Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores.
Precisamos do perdão de Deus, todos os dias.
Por sermos imperfeitos, pecamos em palavras, ações e pensamentos.
Mas temos a Jesus Cristo como ajudador junto ao Pai.
Filhinhos meus, escrevo-vos estas coisas para que não cometais um pecado. Contudo, se alguém cometer um pecado, temos um ajudador junto ao Pai, Jesus Cristo, um justo. 2 E ele é um sacrifício propiciatório pelos nossos pecados, contudo, não apenas pelos nossos, mas também pelos do mundo inteiro. — 1 João 2:1, 2.

E não nos leves à tentação, mas livra-nos do iníquo.
 Deus não tenta ninguém para fazer o mal, mas são os nossos próprios desejos que podem levar-nos ao erro.
Por isso precisamos da ajuda de Jeová  Deus  para nos ajudar a nos desviarmos de tentações e proteger-nos contra a maldade.
Assim, precisamos agir em harmonia com a nossa oração. “O vós amantes de Jeová, odiai o que é mau. . . . Livra [os leais] da mão dos iníquos.” Salmo 97:10.

Será bom usar a Oração-modelo de Jesus para  melhorar nossas orações, e para ajustar as nossas prioridades com respeito aos pedidos.
Agindo assim, estaremos agradando o nosso amoroso Pai e Criador Jeová Deus.


07 fevereiro, 2012

O VALOR DA SABEDORIA


Salomão foi um grande rei de Israel, seu reinado era famoso e poderoso. Por causa de sua fama até a rainha de Sabá o visitou e elogiou pela prosperidade e sabedoria. “Eis que não se me contou nem a metade. Ultrapassaste em sabedoria e em prosperidade as coisas ouvidas que escutei.” (1 Reis 10:4-9)
Por ser tanto sábio como rico Salomão podia escolher qual delas seria a mais importante.
Ele escreveu: “Feliz o homem que achou sabedoria e o homem que obtém discernimento, porque tê-la por ganho é melhor do que ter por ganho a prata, e tê-la como produto é melhor do que o próprio ouro. Ela é mais preciosa do que os corais, e todos os outros agrados teus não se podem igualar a ela.” — Provérbios 3:13-15.
Mas como nós podemos encontrar a sabedoria?
Jesus Cristo, o Filho de Deus é a sabedoria personificada e o primogênito de toda criação.
Ele nos nos falou sobre a sabedoria: “Agora, ó filhos, escutai-me; sim, felizes são os que guardam os próprios caminhos meus. Escutai a disciplina e tornai-vos sábios, e não sejais negligentes. Feliz o homem que me está escutando por ficar alerta às minhas portas dia a dia, vigiando junto às ombreiras das minhas entradas. Pois, quem me achar, há de achar a vida, e ele obterá boa vontade da parte de Jeová. Mas aquele que não acerta comigo faz violência à sua alma; todos os que me odeiam intensamente são os que amam a morte.” — Provérbios 8:32-36.
Jesus Cristo é a própria personificação da sabedoria de Deus. 

A Bíblia nos diz “Cuidadosamente ocultos nele se acham todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento.” (Colossenses 2:3)
Portanto, escutemo-lo atentamente e sigamos de perto os seus passos. (1 Pedro 2:21)
Rejeitá-lo seria violentar a nossa própria alma e amar a morte, pois “não há salvação em nenhum outro”. (Atos 4:12)

Portanto, aceitemos a Jesus como aquele que Deus providenciou para a nossa salvação. (Mateus 20:28; João 3:16)
Assim teremos a felicidade resultante de ‘achar a vida e obter a boa vontade de Jeová’.

06 fevereiro, 2012

A HOSPITALIDADE




Ser hospitaleiro é uma qualidade muito apreciada.
Convidar alguém para uma refeição e, fazer isto com amor, é uma atitude muito elogiável.
Podemos usar a iniciativa para perceber que existem muitas maneiras de demonstrarmos nossa hospitalidade.
Convidar alguém para um café, um chá, um lanche rápido.
A Bíblia nos exorta a sermos sempre hospitaleiros.
Paulo incentivou: “Partilhai com os santos segundo as suas necessidades. Segui o proceder da hospitalidade.” (Romanos 12:13) 
Lembrou também aos cristãos judeus: “Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por meio dela alguns, sem o saberem, hospedaram anjos.” (Hebreus 13:2)
O apóstolo Pedro exortou seus irmãos cristãos a ser “hospitaleiros uns para com os outros, sem resmungar”. — 1 Pedro 4:9.
A hospitalidade de coração cria uma excelente oportunidade para “um intercâmbio de encorajamento” e para mostrar amor aos nossos irmãos e ao nosso Deus. (Romanos 1:11, 12)
Uma coisa importante é nos lembrarmos de convidar a todos, mesmo aqueles que não poderão retribuir a gentileza.
São ocasiões gratificantes tanto para quem é convidado como para o anfitrião, pois como disse o próprio Jesus Cristo: “há mais felicidade em dar do que há em receber”. — Atos 20:35.