27 junho, 2012

Uma família unida pelo amor



A Bíblia nos diz que o “amor . . . é o perfeito vínculo de união”. (Colossenses 3:14)
Como ela descreve, o amor não é um simples sentimento.
É definido como algo que motiva nossas ações — incentivando algumas e proibindo outras. (1 Coríntios 13:4-8)
Na família, mostrar amor significa tratar uns aos outros com dignidade, respeito e bondade.
Significa viver em harmonia com o modo de Deus encarar cada membro da família.
Ele dá a cada um deles um papel honroso e importante.
Como cabeça da família, o pai deve tomar a iniciativa em mostrar amor.
Ele reconhece que o pai cristão não deve ser tirano, abusando de sua autoridade sobre a esposa ou os filhos.
Em vez disso, encara a Cristo como exemplo de liderança. (Efésios 5:23, 25)
Portanto, é carinhoso e amoroso com a esposa, paciente e gentil com os filhos.
Nunca deixa de protegê-los e faz o máximo para evitar que aconteça qualquer coisa que poderia lhes tirar a paz, a inocência ou o senso de confiança e de segurança.
Como esposa e mãe, a mulher também tem um papel digno e muito importante.
A Bíblia usa o instinto materno no reino animal para ilustrar quanto Jeová e Jesus se preocupam em dar proteção. (Mateus 23:37)
A mãe também deve estar determinada a proteger os filhos. De modo amoroso, ela não hesita em colocar a segurança e o bem-estar deles à frente dos seus.
Os pais não permitem que abuso de poder ou intimidações se infiltrem no modo em que tratam um ao outro ou aos filhos; nem permitem que os filhos usem essas táticas um contra o outro.
Na família em que todos se tratam com respeito e dignidade prevalece a boa comunicação.
O autor William Prendergast declarou: “Os pais devem ter conversas diárias, freqüentes e francas com os filhos, tanto crianças como adolescentes.” E disse também: “Essa parece ser a melhor solução para o problema do abuso sexual.”
De fato, é exatamente esse tipo de comunicação constante e amorosa que a Bíblia recomenda. (Deuteronômio 6:6, 7)
Quando essa orientação é aplicada, o lar se torna um ambiente em que todos podem expressar o que sentem, de modo franco e sem qualquer receio.
Temos de reconhecer que vivemos num mundo perverso e que nem todos os abusos podem ser evitados.
Mesmo assim, um lar seguro pode fazer muita diferença.
Se um dos membros da família tiver problemas fora de casa, ele sabe muito bem onde buscar consolo e compreensão.
Tal ambiente é um verdadeiro refúgio, um abrigo seguro neste mundo cheio de problemas.
Que Deus abençoe seus esforços de fazer com que seu lar seja exatamente assim!

26 junho, 2012

COMO TER UMA VIDA LONGA E FELIZ



Todos querem viver muitos anos, mas ninguém quer ficar velho. Muitos que estão perto de se aposentar esperam ter mais tempo livre e menos responsabilidades.
No entanto, temem ficar sem objetivo e se tornarem inúteis.Também têm medo de ficarem isolados, de serem infelizes e de que a saúde piore.
Então, qual é o segredo para se ter uma vida feliz?
Bons amigos e uma família amorosa contribuem para a felicidade, tanto de jovens como de idosos. Mas o que outros podem fazer pelo idoso não é tudo o que conta.
Ainda mais importante é o que a pessoa idosa pode fazer pelos outros.
Um estudo a longo prazo, envolvendo 423 casais idosos, indicou que “fazer uma contribuição para a vida de outros pode ajudar a prolongar a nossa própria vida”.
Stephanie Brown, que dirigiu o estudo, explica: “O que foi constatado sugere que não é o que recebemos dos relacionamentos que torna muito benéfico o contato que temos com outros; é o que nós damos.”
Isso pode incluir ajudar outros no serviço de casa, cuidar de crianças ou realizar outras atividades necessárias, oferecer transporte ou dar atenção a alguém que precisa conversar.
Há uns 2.000 anos, Jesus Cristo disse:
“Há mais felicidade em dar do que há em receber.” (Atos 20:35) 
A receita para se ter uma vida longa e feliz não é uma conta bancária grande, nem tratamentos contra o envelhecimento e dietas.
Antes, consiste em ficar ativo e gastar tempo, energia e força para enriquecer a vida de outros.
Todavia, requer mais do que isso para salvar-nos do envelhecimento, da doença e da morte.
Somente o Reino de Deus acabará com essas coisas.
Sob o governo dele, acabará a doença e até mesmo “não haverá mais morte”. (Revelação [Apocalipse] 21:3, 4; Isaías 33:24)
De fato, os humanos obedientes viverão para sempre em felicidade numa Terra paradisíaca. (Lucas 23:43)


20 junho, 2012

COMO SER UM BOM OUVINTE



Imagine que você tivesse condições de dar um presente caro a cada pessoa que conhece. Como elas ficariam felizes e gratas!
Na verdade, você pode dar a outros um presente especial, algo que eles realmente precisam.
E não vai lhe custar um centavo. 
O que é? 
Sua atenção. A maioria das pessoas deseja atenção e reage apreciativamente quando a recebem. Para dar atenção de real valor, porém, você precisa escutar com empatia.
Se é pai, mãe, patrão ou ocupa uma posição em que outros o procuram em busca de conselho e orientação, precisa escutar com empatia. Do contrário, as pessoas perceberão sua falta de empatia, e sua credibilidade sofrerá.
Mesmo que não o procurem com freqüência para pedir conselho, ainda assim, você precisa escutar com empatia, quando, por exemplo, um amigo o procura para consolar-se. Como declara um provérbio bíblico, falar sem antes escutar pode resultar em humilhação. 
Quando alguém replica a um assunto antes de ouvi-lo, é tolice da sua parte e uma humilhação.
(Provérbios 18:13) 
Quais são, então, alguns modos em que pode mostrar que escuta com empatia?
Concentre-se no que ouve
O que significa escutar com empatia? 
O Novo Dicionário da Língua Portuguesa define empatia como a “tendência para sentir o que sentiria caso se estivesse na situação e circunstâncias experimentadas por outra pessoa”. O mesmo dicionário define escutar como “tornar-se ou estar atento para ouvir; . . . aplicar o ouvido com atenção para perceber ou ouvir”. 
Assim, quem escuta com empatia faz mais do que ouvir o que os outros dizem. Ele presta atenção e compartilha dos pensamentos e sentimentos das pessoas.
Isso requer que você se concentre no que está ouvindo, não deixando a mente vaguear. Até mesmo pensar em como irá responder prejudica sua maneira de escutar. Discipline-se a manter-se concentrado no que a outra pessoa está dizendo.
Os bons ouvintes também falam!
O livro A Arte da Conversação fala daqueles que escutam, mas quase não dizem nada, “achando que isso lhes dá um ar de reserva dignificada”. Isso obriga a outra pessoa a levar sozinha todo o fardo da conversa, o que é rude. Por outro lado, também é rude, e cansativo, quando a pessoa que você está ouvindo fala sem parar, não lhe dando tempo para se expressar. 
Portanto, embora precise ser um bom ouvinte, também deve participar à outra pessoa que você tem algo útil a dizer.
Em alguns casos, porém, a pessoa não quer nem precisa de conselho. Assim, cuidado para não enfraquecer o bom efeito de tê-la escutado, por falar demais.
Seu amigo talvez simplesmente tenha de suportar uma situação incontrolável ou precise de tempo para superar seus sentimentos negativos. Ele lhe procurou para desabafar. Você escutou. Compartilhou de seus sentimentos, assegurando-lhe de sua preocupação e de que pensará no caso dele e que se lembrará dele em suas orações.
Diga-lhe que se sinta à vontade para procurá-lo de novo e que você não vai revelar os problemas dele a outros.
É bem provável que ele precise desse consolo mais do que de alguém que tente resolver seu problema. — Provérbios 10:19; 17:17; 1 Tessalonicenses 5:14.
Acompanhado de conselho ou não, escutar beneficia ambas as partes.
Quem fala tem a satisfação de ser escutado e compreendido. Sente-se consolado por saber que alguém se importa o bastante para ouvir tudo o que ele precisa dizer. Quem escuta também é recompensado. Outros apreciam sua preocupação.
Caso dê conselho, ele tem até mais crédito, porque não fala até ter compreendido bem a situação que lhe foi contada. É verdade que escutar com empatia toma tempo. Mas é um investimento que vale a pena.
De fato, dando atenção bondosa a outros, você lhes dá um presente especial.

18 junho, 2012

O VALOR DE UM SORRISO

ao olharmos esta linda foto, sorrimos sem  esforço

O sorriso dura um instante, mas há casos em que não dá para esquecê-lo pelo resto da vida. Tem um valor incalculável, mas está ao alcance de todos — o pobre não tem desculpa de não ter condições de dá-lo e o rico, de dizer que não precisa dele.
O sorriso é o resultado da contração dos músculos em que os olhos se iluminam e os cantos da boca se curvam ligeiramente para cima em uma expressão de contentamento.
O sorriso de um bebê, logo nas primeiras semanas, encanta os pais, que não escondem seu orgulho.
Esses primeiros sorrisos são involuntários, apenas um reflexo. Os cientistas explicam ainda que são iguais ao sorriso de pessoas que estão sonhando e parecem estar relacionados com sentimentos íntimos e com atividades do sistema nervoso central.
Mesmo nos adultos, esse sorriso reflexo pode ocorrer após uma refeição ou enquanto ouvem música.
Passadas cerca de seis semanas, o bebê já reage com um sorriso ao ver certo rosto ou ouvir determinada voz.
O sorriso social — voluntário e consciente — anima a quem o recebe, seja bebê seja adulto.
Não só isso, dizem que exerce também uma influência positiva na saúde física.
Outra razão para sorrir é o efeito positivo que ele exerce nos outros.
Um sorriso sincero comunica nossos sentimentos sem palavras, seja um sorriso de cumprimento, de solidariedade, seja de encorajamento.
Pode acontecer que só de vermos numa foto o sorriso cativante de uma criança reajamos automaticamente com um sorriso também.
O sorriso de uma pessoa amiga pode ser muito benéfico, deixando-nos mais descontraídos e com mais coragem e disposição para enfrentar frustrações ou problemas.
Será que um sorriso faz tanta diferença assim? 
Bem, você se lembra de quando o sorriso de alguém lhe trouxe um sentimento de alívio ou o fez sentir-se mais à vontade? 
Ou quando a ausência dele o fez sentir-se nervoso ou mesmo rejeitado? 
Como vê, um sorriso faz muita diferença, não só para quem o dá, mas também para quem o recebe. 
Jó, um personagem bíblico, disse a respeito de seus adversários: “Eu sorria para eles — eles não o acreditavam — e não lançavam de si a luz da minha face.” (Jó 29:24) “A luz” da face de Jó pode ter sido um reflexo de sua felicidade ou alegria.
Um sorriso tem o mesmo efeito positivo hoje em dia. Um sorriso amigável pode ajudar a aliviar tensões acumuladas — como a válvula de segurança de uma panela de pressão. 
Quando nos sentimos tensos ou frustrados, sorrir pode ajudar-nos a aliviar a tensão e a lidar com a frustração. 
A Bíblia recomenda: “Não negues o bem àqueles a quem é devido, quando estiver no poder da tua mão fazê-lo.” (Provérbios 3:27)
É verdade. Sorrir é um gesto bem simples.
Mas produz um bem para nós e para os outros.
Faça um esforço para compartilhar com os outros essa dádiva de valor incalculável — um sorriso amigo!

05 junho, 2012

A MARAVILHOSA ESPERANÇA DA RESSURREIÇÃO



Jesus disse: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem exercer fé em mim, ainda que morra, viverá outra vez.” (João 11:25) 
A Bíblia ensina que os mortos voltarão a viver. Parece impossível?
Então veja:
Enquanto esteve na Terra, Jesus mostrou que tem o poder de ressuscitar os mortos. 
Certa vez, ele ressuscitou uma menina de 12 anos. 
Qual foi a reação dos pais dela? 
Eles “ficaram logo fora de si com grande êxtase”. (Marcos 5:42) 
Isto nos mostra que sob o seu Reino, o rei celestial Jesus Cristo ressuscitará um incontável número de pessoas para viver aqui na Terra, mas em condições pacíficas e justas. (Atos 24:15; 2 Pedro 3:13) 
Imagine a grande alegria que haverá quando os mortos forem ressuscitados e reencontrarem seus entes queridos!
O escritor bíblico Paulo ofereceu a esperança de alívio deste “último inimigo”, a morte. Escreveu: “A morte há de ser reduzida a nada.” “O último inimigo a ser destruído é a morte.” (1 Coríntios 15:26)
Por que podia Paulo ter tanta certeza disso? Porque fora ensinado por alguém que havia sido ressuscitado dos mortos, Jesus Cristo. (Atos 9:3-19) 
Foi também por isso que Paulo podia escrever: “Visto que a morte é por intermédio dum homem [Adão], também a ressurreição dos mortos é por intermédio dum homem [Jesus Cristo]. Porque, assim como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos serão vivificados.” — 1 Coríntios 15:21, 22.
A Palavra de Deus, a Bíblia, dá o melhor consolo. 
O apóstolo cristão Paulo disse também: “Eu tenho esperança para com Deus . . . que há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos.” (Atos 24:15) 
Pensar na esperança bíblica da ressurreição é o melhor consolo para os que estão sofrendo com a morte de uma pessoa querida.
Portanto, milhões de pessoas podem ter a sólida esperança de ver de novo, vivos, seus entes queridos na Terra, mas em circunstâncias totalmente diferentes. 
Jeová Deus, que deu início à humanidade num lindo jardim, prometeu restabelecer o Paraíso aqui na Terra sob o governo do Seu Reino celestial nas mãos do agora glorificado Jesus Cristo. (Gênesis 2:7-9; Mateus 6:10; Lucas 23:42, 43) 
Neste restabelecido Paraíso, a família humana terá a perspectiva de usufruir uma vida sem fim, livre de todas as doenças e moléstias. (Revelação [Apocalipse] 21:1-4) 
Também terão desaparecido todo o ódio, preconceito racial, violência étnica e opressão econômica. Será nesta Terra purificada que Jeová Deus, por meio de Jesus Cristo, ressuscitará os mortos.
Que maravilhosa esperança!
Ficamos felizes em compartilhá-la com todos.